O que mudou no Tesouro Direto

Buscando tornar mais acessível à aplicação dos pequenos e médios investidores, o Tesouro Direto (compra direta de títulos emitidos pelo governo federal) mudou sua nomenclatura a partir de de março/2015 (estava programado para 01/02/2015, porém foi adiado). Confira as atuais opções de investimento e suas características com a nova nomenclatura:

Tesouro Prefixado 20XX (Antiga LTN)
São títulos prefixados, ou seja, com remuneração já definida no momento da compra. O investidor recebe o valor aplicado, acrescido dos rendimentos contratados, no vencimento do título. 20XX indica o ano de vencimento. Hoje são dois vencimentos: 01/01/2017 (Tesouro Prefixado 2017) e 01/01/2018 (Tesouro Prefixado 2018).

Tesouro Prefixado com juros semestrais 2025 (Antiga NTN-F)
Títulos públicos prefixados, porém os juros são creditados semestralmente não somente no final. Vencimento em 0101/2025.

Tesouro Selic 2017 (Antiga LFT)
 Títulos pós-fixados, cuja remuneração está vinculada à SELIC e é apurada diariamente. Vencimento em 07/03/2017.

Tesouro IPCA + 20XX (Antiga NTN-B Principal)
Títulos com remuneração pré e pós-fixadas, pois prevê uma remuneração definida no momento da emissão, acrescida da variação do IPCA. É um título descontado, ou seja, quando emitido, há um desconto no valor do mesmo referente à remuneração que será paga. Exemplo hipotético: Um título de R$ 1.000,00 com remuneração prefixada de 6% a.a., com vencimento em um ano terá seu valor atual em R$ 940,00. Possui títulos com vencimento em 15/05/2019 (Tesouro IPCA + 2019), 15/08/2024 (Tesouro IPCA + 2024) e 15/05/2035 (Tesouro IPCA + 2035).

 – Tesouro IPCA + com juros semestrais 20XX (Antiga NTN-B)
Semelhante ao Tesouro IPCA +, porém com crédito semestral de juros. Possui títulos com vencimento em 15/08/2020, 15/05/2035 e 15/08/2050;

Essa nomenclatura será vista também nas demonstrações dos fundos de investimento que aplicam em títulos públicos federais, facilitando a compreensão do investidor.

Tributação: Sobre a remuneração dos títulos do tesouro direto incide IOF (para resgates em até 30 dias) e Imposto de Renda regressivo (variando entre 22,5% e 15% conforme o prazo).

Nesse tipo de investimento, é cobrado uma taxa de
custódia de 0,3% do valor do título, mais uma taxa definida pelo banco
ou corretora.

A compra dos títulos pode ser feita em
qualquer dia da semana entre 9h e 5h do dia seguinte, quando o sistema
fecha para manutenção e contabilização, reabrindo às 9h. Já a venda,
ocorre entre às 9h toda quarta-feira até às 5h da quinta-feira, sendo o
valor creditado na própria quinta-feira. ATUALIZAÇÃO: A negociação passou a ser diária a partir de março/2015.

DICA DO CONSULTOR
O Tesouro Direto é uma aplicação considerada segura, pois os títulos são garantidos pelo Tesouro Nacional, ou seja, pelo Governo Federal, o que significa que não há risco de seu dinheiro “sumir”.
É muito importante, contudo, saber que, em função de diversos fatores (aumento ou queda da taxa de juros, por exemplo), o valor de compra ou venda desses títulos pode variar e pode fazer com que você venda o título (antes do vencimento) mais barato do que comprou, tendo prejuízo. Para evitar isso, ao adquirir um título do Tesouro mantenha ele até o seu vencimento para usufruir de seus benefícios.

O que achou da mudança?

Ficou alguma dúvida? Estou à disposição.

Até a próxima?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *