O que é Risco?

RiscoHá um tempo venho falando sobre as decisões de investimento e como elas são afetadas pelo atual cenário de juros baixos. Nesse contexto, mais pessoas estão buscando investimentos com maior risco.

Mas o que isso significa? A que tipos de riscos estamos sujeitos em nossas aplicações financeiras? Esse será o tema da postagem de hoje.

Primeiramente, é importante conceituar risco como “incerteza”. Quanto menor a certeza que temos em relação  a determinada situação, maior o risco que estamos correndo.

Na literatura de finanças, o risco é calculado a partir da volatilidade, medida a partir de uma variável estatística chamada “desvio padrão”. O Desvio Padrão calcula quanto algo (no caso, o preço diário de um ativo) varia em relação à média, ou ao mercado como um todo. Quanto mais ele varia, maior sua volatilidade e, consequentemente, seu risco. Você não precisa decorar a fórmula do Desvio Padrão, pois as planilhas eletrônicas calculam para você.

Dessa forma, podemos concluir que, quando assumimos maiores riscos, estamos sujeitos a maiores variações (desvio padrão) em relação ao que já esperamos que vá acontecer (mercado).

Vamos a um exemplo prático: Considere que você comprou uma ação que tem um desvio padrão de 0,2 p.p. (pontos percentuais) em relação ao mercado (Ibovespa). Isso significa que, na maioria das vezes, se o Ibovespa subir 1%, essa determinada ação vai subir algo entre 0,8% e 1,2%.  Como não temos como adivinhar se o rendimento será maior ou menor do que o índice de mercado, estamos assumindo um risco.

A partir desse conceito, temos, abaixo, os principais riscos presentes na literatura:

-Risco de Mercado (Sistêmico): Volatilidade do Mercado como um todo. Ex: As variações do Ibovespa;

-Risco Idiossincrático (Não Sistêmico): Volatilidade do Ativo específico;

Risco de Crédito: Não pagamento por parte do devedor . Esse é um risco vinculado à Renda Fixa, pois está relacionado ao emissor não honrar o título no vencimento. Importante: Quanto maior o prazo, maior o risco. Os Títulos Públicos Federais são considerados livres desse risco;

-Risco de Liquidez: Não conseguir vender um determinado ativo. Exemplo: Ações com pouca movimentação na Bolsa;

-Risco Operacional: Relacionados à operação em si, envolvendo a compra e venda dos ativos ou os processos internos do devedor;

-Risco Legal: Não atendimento da legislação vigente.

Na próxima semana, vamos falar sobre estratégias para gerenciar esses riscos. Fique atento(a)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *