Finanças para autônomos

PorquinhoCom a entrada em vigor da nova legislação trabalhista, muitos especulam que aumentará o número de prestadores de serviços atuando para as empresas de forma autônoma, ou seja, sem vínculo empregatício.

Não é objeto desse blog o mérito da nova legislação, mas é um bom momento para tratar da organização financeira dos profissionais liberais e autônomos, bem como daquelas pessoas que trabalham com carteira assinada e exercem outras atividades para complementar a renda.

Enquanto o salário recebido de uma empresa será inteiramente utilizado para os compromissos assumidos pelo trabalhador, a receita obtida referente aos serviços prestados como autônomo não apresentam essa mesma “liberdade”.

Há um tempo, tratamos dos custos da profissão. São os custos que você terá antes de saber quanto, efetivamente, poderá dispor. É muito importante considerar esses custos e despesas quando for definir o preço do serviço a ser prestado ou produto a ser vendido. Caso contrário, você poderá estar “pagando para trabalhar”.

No caso da prestação de serviço para empresas, como terceirizado, saiba que você deverá arcar com plano de saúde (caso não esteja previsto no contrato), INSS, transporte e uma reserva para férias e despesas de final de ano, uma vez que esses valores não serão pagos pelo contratante.

Outros dois cuidados são muito importantes e serão eles os focos da postagem de hoje:

1) Separação entre o seu dinheiro e o do seu negócio: Esse é o principal erro de quem trabalha “por conta”. Principalmente por não identificar os custos do negócio. A melhor forma de evitar isso é, na hora de definir o preço a ser cobrado, incluir uma remuneração para si. Definir um “salário” que essa atividade lhe pagará também é uma boa forma de fazer essa separação. Assim, você não vai “mascarar” os problemas de seu negócio, injetando dinheiro próprio no mesmo, nem vai causar problemas, utilizando valores da sua atividade para honrar compromissos pessoais.

2) Datas de pagamento e recebimento: Outro fator importante na hora de gerenciar as finanças e o de evitar o descasamento entre os pagamentos e recebimentos. Organize-se para que os pagamentos que você terá de fazer (aluguel, matéria prima, etc) tenham suas datas coincidindo com os recebimentos programados. Assim, você evita pagar juros desnecessariamente.

DICA DO CONSULTOR

A palavra de ordem é planejamento. Sempre que for realizar uma atividade onde os ganhos são variáveis, esteja preparado(a) para as oscilações próprias do negócio. Assim, a realização do seu sonho não será transformada em um pesadelo.

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *