Como fica minha aposentadoria?

AposentadoriaEm fevereiro desse ano foi protocolado Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 06/2019, a chamada Reforma da Previdência. Para os defensores, trata-se da garantia de equilíbrio nas contas públicas e da perenidade do sistema de aposentadoria pública. Já para os críticos, com a reforma, todos terão suas aposentadorias prejudicadas.

O debate é importante e cabe ressaltar que a proposta encaminhada ainda deverá sofrer alterações no congresso. Por esse motivo, não temos como saber, hoje, quais serão as novas regras de aposentadoria. Mas isso não significa que não possamos fazer nada quanto a isso.

Há bastante tempo falo sobre termos visão de longo prazo em nossos investimentos. O cenário de juros baixos e a discussão sobre essa reforma contribuem para que esse horizonte seja ainda mais valorizado.

Independentemente da idade que você tiver, é importante começar agora a fazer uma reserva para o futuro. Muito importante também é o fato de que você vai criar uma cultura de viver com menos do que recebe, útil em qualquer situação.

Se você começou a trabalhar agora, ou ainda nem começou, terá a oportunidade de construir uma aposentadoria muito boa, guardando pouco hoje. Àqueles que estão na metade do caminho, vale a máxima do “antes tarde do que mais tarde”.

A intenção dessa postagem é  a de que você não dependa unicamente do INSS para sua aposentadoria. Você pode tomar atitudes e fazer investimentos hoje para isso.

Abaixo, listo algumas opções de investimentos que visam o longo prazo e podem ser o destino de sua reserva para aposentadoria. Lembre-se de que o seu Perfil de Investidor é o principal guia para sua tomada de decisão.

Tesouro IPCA+: Trata-se de uma modalidade de título público federal, ou seja, emitido pela União e, portanto, considerado 100% garantido. O grande atrativo é que a remuneração é composta por uma taxa prefixada (definida no momento da aplicação) mais a inflação medida pelo IPCA (inflação oficial do governo). Assim, você se protege de possíveis altas na inflação e garante um rendimento real. Esses títulos podem ter vencimentos bastante longos.

Cuidados: Existem duas modalidades: com e sem cupons (pagamento de juros) semestrais. Prefira os sem cupom, pois acumulam melhor saldo para o futuro. Esse investimento está sujeito a tributação pelo I.R.

Previdência Privada: Para aqueles que buscam maior auxílio na gestão do seu dinheiro, existea opção de delegar ao banco esse papel. Investindo em Previdência Privada, o banco escolherá os melhores títulos para investir seu dinheiro, visando o longo prazo e considerando seu perfil de investidor. Não há “vencimento” nesse tipo de investimento, e, quando chegar o momento de utilizar o dinheiro, você poderá optar por receber uma aposentadoria mensal (como se fosse o INSS), ou gerenciar os saques conforme sua necessidade. O modelo de capitalização é baseado na previdência privada. Você deverá escolher o tipo de plano (PGBL ou VGBL) e a tributação (progressiva ou regressiva).

Cuidados: Fique atento às taxas de carregamento e evite as taxas de entrada, que são cobradas sobre os valores que você deposita.

Debêntures: Como já tratado, as debêntures são títulos de dívida emitidos por empresas, diferentemente do Tesouro Direto, que é emitido pelo governo. Existem debêntures com prazos longos, que se encaixam na nossa intenção aqui. Outro ponto interessante são as chamadas debêntures incentivadas, cujos rendimentos são isentos de imposto de renda.

Cuidados: Avalie bem a empresa da qual você está comprando títulos, pois, através das debêntures, você está fazendo um empréstimo à mesma.

Ações: Relembrando uma postagem anterior, existe um método de investimento em ações chamado “buy and hold”, onde você compra ações de empresas que você avalie (ou tenham sido recomendadas) como sólidas e boas pagadoras de dividendos.  Na fase de poupança, você vai reinvestir os dividendos, comprando mais ações dessas empresas. Quando decidir ter uma renda, passa a usufruir desses rendimentos .

Cuidados: A escolha das empresas é muito importante, assim como é essencial entender que o preço delas vai variar bastante, podendo, em alguns momentos, ficar abaixo do valor que você comprou. Não se afobe. Se você vender as ações nesse momento,  perderá dinheiro e jogará fora sua estratégia.

Imóveis: Conhecido como um dos mais tradicionais investimentos de longo prazo, o investimento em imóveis para locação requer um alto investimento e envolve custos de manutenção, além de riscos relacionados à não locação por longos períodos. Por outro lado, a atualização do valor dos aluguéis pela inflação faz com que ele possa proporcionar um rendimento interessante na aposentadoria, sendo interessante enquanto forma de diversificação para quem pode dispôr do valor a ser investido. Para quem não dispõe, os Fundos Imobiliários podem ser uma boa alternativa, desde que bem selecionados.

Negócio Próprio: Por fim, mas longe de ser menos importante, está a abertura de um negócio próprio. Apesar de requerer uma maior dedicação e investimento iniciais, diversas atividades permitem que o(a) empreendedor(a) possa focar-se no acompanhamento e nas questões estratégicas do negócio. Além de permitir renda, também contribui para um senso de utilidade na aposentadoria.

Como relatei no início postagem, essas são algumas das principais alternativas de investimento visando a aposentadoria. É importante que você avalie, considerando seu Perfil de Investimento e, se possível, busque uma combinação entre mais de uma dessas opções.

Até a próxima!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *